• Aline Mesquita

6 dicas para improvisar na dança do ventre

Atualizado: há 6 dias


Foto: Cintia Bracht

Quem me segue nas redes sociais já deve saber que nas últimas semanas eu dediquei vários posts a esse tema da improvisação na dança do ventre. Não é para menos, esse é um assunto que eu dou bastante importância e que também intimida algumas alunas. Toda a dedicação a esse tema tão importante para a dança oriental nos mobilizou a fazer ainda mais; minha colega e também professora, Janine Marques, sugeriu fazermos uma live para falarmos sobre esse assunto e ainda improvisar ao vivo. É claro que eu topei e surgiu aí a Live #DesafioDoImproviso.

Então para fecharmos esse ciclo, resolvi reunir aqui nesse post todas as dicas que abordei antes e no final do post você ainda pode conferir a nossa live completa de uma hora, que foi gravada e disponibilizada no YouTube.

Sem mais delongas vamos para as dicas!!!


1. Ouça muita música árabe!

É isso mesmo. Comece ouvindo muita música árabe! Desse modo, você vai treinando o seu ouvido e percebendo as mudanças rítmicas, os diferentes instrumentos e as pequenas pausas. Faça uma pequena playlist. No começo você pode optar por usar as músicas modernas nas suas improvisações, pois elas são mais curtas e costumam ter pouca variação no ritmo de base. Assim você se concentra nos movimentos básicos da dança e vai encaixando-os na música. Tenha em mente que cada uma dessas dicas deve ser praticada constantemente e os seus resultados vão aparecendo com o tempo (e você pode estabelecer um prazo de pelo menos uma semana para treinar antes de avançar para a próxima dica); portanto, siga sempre ouvindo muita música árabe e treine bastante o seu ouvido.

2. Dois movimentos básicos "salvadores"


Se você já está começando a improvisar na dança do ventre e também já está determinada a seguir a dica 1, eu proponho um exercício. Após ouvir bastante uma música que você goste, escolha 2 movimentos básicos que você tenha domínio. Por exemplo: oito maia e batida lateral. Se você domina esses movimentos, eles serão seus movimentos de “salvação”. Quando nenhum outro passo vier à sua cabeça, use eles como apoio. Desse jeito você continua dançando sem parar no meio da música. Não se preocupe em quantas vezes você repetiu os passos. É apenas o começo dos seus estudos de improviso na dança do ventre.

3. Entrada e finalização


Finalização! Foto: Ricardo Baumart

Em uma apresentação de dança oriental é muito importante a entrada da bailarina em cena e a sua finalização. A terceira dica do nosso treino de improvisação na dança do ventre tem como objetivo esses dois aspectos. Então comece a pensar em formas de iniciar a sua dança, como caminhadas, posicionamento inicial e fique muito atenta à finalização da música. Esse processo vai estimular a sua criatividade e ajudá-la na sua dança como um todo. Treine diversas poses e encerre com uma delas. Espere 3 segundos, agradeça e recomece o treino! Desse modo, você vai amadurecendo a sua dança com uma introdução adequada, desenvolvimento da técnica e fechamento.




4. Treino, técnica e mais treino!

É como diz aquela famosa frase: "no pain, no gain" (sem dor, sem ganho). E para ver os resultados, é preciso fazer esse esforço. A quarta dica, apesar de exigir esse esforço, vai facilitar todo esse processo de se soltar na dança do ventre. Depois de praticar as outras 3 dicas durante algumas semanas, o mais importante agora é você continuar aperfeiçoando os movimentos técnicos, os fundamentos da dança oriental. Sim, pois sem uma boa base técnica e limpeza de movimentos a sua dança não irá evoluir como você gostaria. Então, separe um tempo para executar os passos, suas variações e somente no fim treine seu improviso. Quanto mais treinamos a técnica, mais natural ela fica e menos precisamos pensar em sua execução. Na hora do improviso, os movimentos estarão automatizados e sairão com mais facilidade.

5. Dominando ritmos e instrumentos

Lembra da nossa primeira dica? Ouvir bastante música árabe? Depois de algumas semanas praticando a dica 1 e os demais exercícios das dicas seguintes você já terá uma noção melhor sobre a música e já estará mais solta no improviso de dança do ventre. Agora é hora de passar para o próximo nível: aguçar os ouvidos e identificar os principais ritmos e instrumentos das músicas árabes. Comece pelos ritmos de 4 tempos que são mais populares e estão em quase todas as músicas. Por exemplo: maksoun, baladi e said. E os instrumentos? Certamente você já sabe que o derbak é o intrumento percussivo de base e que tem muitos outros que são melódicos, como: acordeon, violino, kanoun, etc. Um dos objetivos da dança do ventre é traduzir o som em forma de movimentos. Portanto, estude e reflita sobre isso para o seu próximo improviso.

6. Reciclando sequências

Para finalizar as dicas, sabe aquelas sequências que a gente vê em aula ou aquelas coreografias que já apresentamos? Recicle-as! Aproveite para colocá-las no seu repertório de dança do ventre adequando-as em certos momentos da música. Trabalhe sequências coringas, acrescente deslocamentos, brinque com a velocidade e dê um toque especial utilizando moldura de braços, mãos e um charme com o cabelo. Além de aprimorar sua dança, esse exercício também aprimora sua musicalidade, sua memória, o acesso ao seu repertório e ajuda a desenvolver a criatividade.



E para fechar o post com chave de ouro, assista à nossa Live #DesafioDoImproviso, um papo muito bacana sobre a improvisação na dança do ventre, com direito a performances improvisadas ali na hora.




E é isso, pessoal! Se você leu até aqui, muito obrigada! Espero que você tenha gostado desse post e dessas dicas para você improvisar na dança do ventre. Se gostou das dicas, compartilha o post para ajudar as colegas a trilhar também esse caminho tão importante, que é o improviso, na dança oriental. Sinta-se à vontade para comentar o que você achou das dicas, se você está colocando o treino em prática e o que você achou da nossa live.


Se tiver interesse em começar as aulas de dança do ventre, acesse a página Aulas do site, ou entre em contato para saber à respeito das turmas, horários e valores.

E não deixe de acompanhar meus posts aqui e nas minhas redes sociais!